Escolha uma Página

O setor de saúde está cada vez mais atualizado, veja como a IoT está sendo usada como tecnologia em saúde.

Em algum momento você já imaginou como seria ter controle sobre múltiplas coisas ao mesmo tempo, de forma eficiente e simples, sem que nada seja perdido ou danificado, já imaginou como seria mais simples controlar diversos objetos e aparelhos através da Internet? Por mais que essa tecnologia em saúde pareça um tanto distante, a chamada Internet das Coisas ou IoT está cada vez mais presente no dia a dia das empresas. E isso não significa que não esteja presente na saúde, muito pelo contrário, é inclusive na área da saúde onde a tecnologia tem se mostrado uma grande revolução na forma de lidar com aparelhos eletrônicos.

Após a otimização dos processos de gestão através de softwares inteligentes, acesso ao Big Data e outros muitos avanços tecnológicos, a Internet das Coisas utilizada como tecnologia em saúde tem crescido cada vez mais. O motivo desse crescimento é a capacidade dessa tecnologia em saúde em facilitar o atendimento dos pacientes, o que torna a experiência de cada paciente mais positiva e mais otimizada para o médico, que além de ter uma consulta mais direta e rica, consegue fazer um diagnóstico preciso e um acompanhamento mais amplo.

Para começar, é preciso entender o que é a Internet das Coisas. Essa tecnologia consiste em dar a aparelhos não inteligentes a capacidade de se conectar com outros aparelhos, seja por mapas de calor, microcâmeras ou sensor de presença. Assim, esses aparelhos podem enviar e receber informações. Um bom exemplo de como esses aparelhos podem ser utilizados na área da saúde é para acompanhar as condições físicas de um paciente, mas eles também podem identificar a presença de outras pessoas e também monitorar as condições climáticas.

De forma simples, podemos dizer que a Internet das Coisas é a conexão de objetos para um determinado objetivo. Essa tecnologia, podendo ou não ser utilizada como tecnologia em saúde, está em constante desenvolvimento e transformação. A ideia principal da Internet das Coisas é fazer com que objetos cotidianos, processos de casa e até mesmo cidades fiquem interligadas, com o uso da inteligência artificial. Assim, essa tecnologia poderá solucionar problemas comuns no dia a dia, tornar os processos mais eficientes e também gerar oportunidades. Um bom exemplo é a economia que empresas e casas teriam ao evitar o desperdício de energia ou água através de sensores.

Todo o potencial da Internet das Coisas também pode ser utilizado em conjunto com as ferramentas do Big Data, otimizando assim as ações na empresa e auxiliando gestores e líderes para identificar padrões de consumo ou processos que podem ser melhorados. De toda forma, a Internet das Coisas sendo bem utilizada mostra-se um grande avanço na otimização de processos e resultados. A Internet das Coisas também pode auxiliar na área de segurança pública, monitorando as áreas mais perigosas e também auxiliando as equipes. Porém, como tecnologia em saúde, a IoT se destaca, levando a relação médico-paciente a outro nível.

Sabemos que a área da saúde está cada vez mais modernizada, devido aos inúmeros avanços da tecnologia. Porém, não podemos esquecer que grande parte desses avanços só se tornou possível graças a internet, que possibilita o uso de softwares médicos, banco de dados e também ferramentas que melhoram aparelhos, consequentemente trazendo um diagnóstico mais preciso.

Por conta de todas essas possibilidades, a Internet das Coisas tem se mostrado um assunto relevante na tecnologia em saúde, contando com um crescimento de ações mundialmente. A tendência é que cada vez mais as pessoas interajam com os objetos e internet, bem como os hospitais, clínicas e consultórios.

Atualmente já existe um grande uso de aplicativos ou gadgets de tecnologia em saúde, capazes de monitorar sinais vitais, características individuais e doenças daquele paciente. Um bom exemplo são as smartbands, capazes de monitorar pressão arterial, batimentos cardíacos, entre outros. Graças a essa tecnologia em saúde, o paciente fica mais capaz de cuidar de si mesmo e acionar um médico rapidamente se precisar.

É exatamente dessa forma que a Internet das Coisas tem sido utilizada como tecnologia em saúde. Por sensores que são capazes de enviar alertas para o médico em casos de parada cardíaca, por meio de aplicativos que contam os passos e o gasto de calorias, até mesmo por dispositivos que verificam tremores em pacientes que sofrem com o Mal de Parkinson.

Com isso, podemos ver que a IoT aprimora e facilita os processos do sistema de saúde, revolucionando a forma com a qual a tecnologia em saúde é usada. O principal motivo é que, com acesso aos dados pré ou pós operatórios do paciente e à sua rotina, o deslocamento para a clínica ou consultório pode ser reduzido.

Embora a implantação e a utilização dessa tecnologia em saúde ainda enfrente alguns desafios, como por exemplo, manuseio da tecnologia pelos profissionais da área da saúde, falta de recursos financeiros e a modernização das estruturas tanto das clínicas como hospitalares, a internet das coisas tem sido utilizada amplamente em estabelecimentos de saúde equipados para isso.

Veja abaixo 8 principais benefícios da internet das coisas como tecnologia em saúde:

● Melhor gestão da clínica ou hospital
● Diagnóstico mais preciso e mais rápido
● Condições melhores para pacientes portadores de necessidades especiais
● Desenvolvimento de novos tratamentos, por conta da observação dos pacientes
● Pelo fato dos sensores estarem interconectados, dá a capacidade de uma resposta rápida em emergências
● Economia de recursos, mesmo que seja preciso um investimento inicial
● Capacidade de alertar pacientes sobre situações de risco, principalmente idosos
● Menor deslocamento para consultas rotineiras, pois os dados podem ser enviados

Após ler todos os benefícios citados acima, fica fácil entender porque tantas clínicas e consultórios médicos estão aderindo a essa tecnologia em saúde. Além de proporcionar um melhor atendimento para os pacientes, a Internet das Coisas também auxilia na gestão da clínica, o que acaba tornando o consultório mais eficiente, otimizando os processos e aumentando a qualidade de vida de seus pacientes.